segunda-feira, junho 25, 2007

Video aula do GIMP

Para quem não sabe, GIMP é um "Photoshop gratuito".

Antes que os amantes do Photoshop me atirem pedras, é bom deixar claro que ele é tecnicamente inferior, mas a custo X benefício é muito superior, afinal é gratuito.

Encontrei no Google Video 10 vídeos que explicam alguns recursos desse software. Para quem quer "dar uma tratada" nas fotos, vale a pena dar uma olhada.

Vídeo Aula GIMP - Aula 1 - Introdução
Nesta aula aprenderemos um pouco sobre o significado da palavra GIMP, conheceremos o site dos desenvolvedores e a interface básica do programa


Vídeo Aula GIMP - Aula 2 - Navegação
Nesta aula iremos aprender as ferramentas básicas de navegação no GIMP. Como trabalhar com zoom, se movimentar pela tela de pintura, janelas e uma breve introdução sobre camadas (layers).


Vídeo Aula GIMP - Aula 3 - Ferramentas
Nesta aula iremos aprender algumas ferramentas disponíveis no GIMP. Trabalharemos com as 4 ferramentas de seleção, modos de substituição, adição, subtração e intersecção.


Vídeo Aula GIMP - Aula 4 - Ferramentas 2
Nesta aula iremos aprender algumas ferramentas disponíveis no GIMP. Trabalharemos com as 4 ferramentas de seleção, modos de substituição, adição, subtração e intersecção


Vídeo Aula GIMP - Aula 5 - Ferramentas 3
Nesta aula iremos aprender um pouco mais sobre as ferramentas de desenho e pintura. Utilizaremos o lápis, pincel, caneta, borracha e aerógrafo.


Vídeo Aula GIMP - Aula 6 - Retoques
Nesta aula iremos aprender a aplicar alguns retoques em imagens como trabalhar com remoção de pintas, manchas e marcas d'água


Vídeo Aula GIMP - Aula 7 - Cores
Nesta aula aprenderemos a trabalhar com cores e faremos ajustes com curvas de brilho e contraste


Vídeo Aula GIMP - Aula 8 - Camadas
Nesta aula aprenderemos um pouco mais sobre as camadas (layers). Criação e remoção de camadas e como trabalhar com diversas camadas. Também veremos uma breve introdução sobre mistura de camadas com opacidade variada


Vídeo Aula GIMP - Aula 9 - Filtros
Nesta aula iremos conhecer alguns dos mais comuns filtros do GIMP e introdução a scripts no GIMP.


Vídeo Aula GIMP - Aula 10 - Na prática
Nesta aula iremos aprender a utilizar os conhecimentos adquiridos nas últimas aulas para tratar uma imagem desde que recebida da máquina digital até sua arte final. Ajustaremos o brilho e luminosidade, remoção de pintas na pele, corte em formato retrato para revelação, adição de moldura, sombra, efeitos e texto.


Fonte: http://www.tuxresources.org/blog/

sexta-feira, junho 22, 2007

Quem nasceu no mesmo dia que você

Clique no dia desejado
Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro

A Saveiro mais rebaixada do Brasil

Achei esse vídeo no YouTube. Diz ser da Saveiro mais rebaixada do Brasil. Na verdade, rebaixar mais que esse idiota é impossível, pois o carro nem anda!

Propaganda da Petrobras

Vocês lembram da propaganda da Petrobras onde aparecia uma coordenada no canto da tela?

Se não lembra, veja abaixo:


São as coordenadas: 22°51'15"S, 43°14'01"W

Para saber de onde são, vá ao google maps clicando aqui.

Esse é o prédio do CENPES - Centro de Pesquisas da Petrobras

Considero isso como uma ação de marketing viral "light".

A beleza dos números

1 x 8 + 1 = 9
12 x 8 + 2 = 98
123 x 8 + 3 = 987
1234 x 8 + 4 = 9876
12345 x 8 + 5 = 98765
123456 x 8 + 6 = 987654
1234567 x 8 + 7 = 9876543
12345678 x 8 + 8 = 98765432
123456789 x 8 + 9 = 987654321

1 x 9 + 2 = 11
12 x 9 + 3 = 111
123 x 9 + 4 = 1111
1234 x 9 + 5 = 11111
12345 x 9 + 6 = 111111
123456 x 9 + 7 = 1111111
1234567 x 9 + 8 = 11111111
12345678 x 9 + 9 = 111111111
123456789 x 9 +10= 1111111111

9 x 9 + 7 = 88
98 x 9 + 6 = 888
987 x 9 + 5 = 8888
9876 x 9 + 4 = 88888
98765 x 9 + 3 = 888888
987654 x 9 + 2 = 8888888
9876543 x 9 + 1 = 88888888
98765432 x 9 + 0 = 888888888

1 x 1 = 1
11 x 11 = 121
111 x 111 = 12321
1111 x 1111 = 1234321
11111 x 11111 = 123454321
111111 x 111111 = 12345654321
1111111 x 1111111 = 1234567654321
11111111 x 11111111 = 123456787654321
111111111 x 111111111=12345678987654321

O mensalão de todos nós

Essa crônica é de Pedro Paulo Rodrigues Cardoso de Melo, psicólogo e psicopedagogo, e circula pela internet há algum tempo. Obviamente foi escrita à época do mensalão, mas coleciona verdades quase que atemporais sobre a natureza do povo brasileiro. Talvez até da natureza humana.

O mensalão de todos nós

Numa tarde de sexta-feira, recebi um telefonema de um amigo me convidando para ir a um churrasco na sua casa. Acontece que na naquela noite eu tinha que dar aula na faculdade. O problema é que eu queria ir ao churrasco e, como solucionar o problema de uma forma que eu ganhasse nas duas frentes era o que eu tinha que fazer. Mas como? Bem, eu agi como, geralmente, todos nós agimos: fiz de conta que estava cumprindo com a minha obrigação quando, na verdade, fui de encontro à satisfação do meu prazer. O churrasco iria começar às oito horas da noite e a aula às sete e meia. Ora, fui para a faculdade, registrei a aula, fiz a chamada e inventei uma aula de leitura na biblioteca abandonando a turma. Depois, fui à outra turma (a que iria assistir aula depois do intervalo) e fiz a mesma coisa. Depois disso, saí para o churrasco querendo acreditar que havia cumprido religiosamente com o meu dever de professor.

No churrasco, fiquei numa mesa com o dono da casa, que é médico, o amigo que estava sendo homenageado, que é policial, um amigo do homenageado que é advogado e político e a sua esposa que é universitária e estuda no período da noite. Entre muita cerveja e pouca carne o assunto era um só: a roubalheira dos nossos políticos e a passividade da sociedade (todos nós) mediante a podridão do episódio do mensalão. Todos nós estávamos revoltados e propondo soluções para o melhor funcionamento da máquina pública e para o resgate da ética entre a classe política.

Num dado momento, o telefone do dono da casa tocou e ele se afastou um pouco para atender. Cerca de um minuto depois ele retornou à mesa e, com raiva, falou que "não dava para trabalhar com certas pessoas". O telefonema que ele havia recebido era do hospital. Naquela noite ele estava de plantão, mas ele já havia passado no trabalho. Chegou cedo no hospital, visitou alguns pacientes e leu "por cima" os prontuários dos outros. Depois de uma hora foi para casa e deixou a seguinte recomendação: "só me liguem em caso de extrema emergência ou se aparecer pacientes particulares". Sendo assim, era um absurdo a enfermeira lhe telefonar só porque chegara um senhor de sessenta e quatro anos de idade com suspeita de infarto. Ele "receitou" alguns medicamentos pelo telefone e disse que a enfermeira podia retornar a ligação (se ela tivesse coragem para isso), caso acontecesse alguma coisa.

Na tentativa de aliviar o clima, perguntei ao amigo que estava recebendo a homenagem se ele já havia feito a sua mudança. Ele respondeu que sim e, satisfeitíssimo, contou que a mesma não tinha lhe custado nada. Segundo ele, o dono de uma transportadora lhe havia retribuído "um favor", já que ele, meses antes, tinha "resolvido" uns probleminhas de multas nos seus carros que poderiam lhe custar a habilitação ou até mesmo a sua empresa!

De repente, a esposa do político liga para uma colega que estava assistindo aula para saber se tinha dado certo "aquele plano". Ou seja, o plano da colega responder a chamada por ela enquanto ela estava no churrasco, pois ela já estava "pendurada nas faltas" na disciplina em questão e não poderia, "por nada", ser reprovada. E, toda feliz, sorriu com a assertiva da colega. O plano havia dado certo.

Em um outro momento, o anfitrião pergunta ao político como iria ficar o caso de uma determinada pessoa. E ele respondeu que tudo estava indo bem. O único problema era que na secretaria almejada já havia alguém concursado ocupando cargo que tal pessoa pleiteava, mas que ele não se preocupasse, pois estavam estudando uma medida legal (?) para transferir o "dito cujo" de função ou de setor para a vaga "do fulano" ser ocupada por ele. "Ele é um que não pode ficar de fora, pois foi comprometido com a gente até o fim", finalizou.

Em meio a tudo isso, não deixávamos de falar das CPI's, da corrupção dos políticos e da cumplicidade da sociedade que, apática, não movia uma palha para mudar nada.

Chegando em casa fui pensar naquela noite e em tudo o que havia presenciado. De repente, me dei conta que o escritor baiano João Ubaldo Ribeiro está certo quando diz que "nós vivemos num ambiente de lassitude moral que se estende a todas as camadas da sociedade e que esse negócio de dizer que as elites são corruptas, mas que o povo é honesto é conversa fiada. Nós somos um povo de comportamento desonesto de maneira geral, ou pelo menos um comportamento pouco recomendável". O melhor era que eu não precisava pesquisar em nenhuma fonte bibliográfica para concordar com o escritor. A sua afirmação estava magistralmente retratada no meu comportamento e no comportamento dos meus amigos naquela noite e naquele churrasco que eu havia freqüentado.

Para começar, eu roubei o povo ao fazer de conta que estava dando aula quando na verdade não estava. Da mesma forma, como professor, eu estou surrupiando (roubando) a sociedade quando adoto como metodologia de ensino os tão conhecidos seminários apenas para não dar aulas com a mentira disfarçada de desculpa bem intencionada de que os alunos precisam treinar a arte de expressar bem as suas idéias. Isso pelo fato dessa afirmação não ser verdade, mas parte de uma verdade maior. É lógico que os alunos precisam treinar a arte de bem expressar as suas idéias, mas depois de serem ensinados e conduzidos pelo professor que, por sinal, é pago para fazer isso. A verdade inteira é que, quase sempre por motivos pessoais, o professor acaba transformando o que seria uma, de várias técnicas de ensino, em sua prática regular de ensino e o resultado é uma enorme massa de estudantes "transfigurados", da noite para o dia, em professores dos professores que deviam ensinar, mas não ensinam.

E o que dizer do anfitrião da festa? Do médico que estava "tirando plantão" e que, portanto, estava ganhando o seu salário e reclamou por ser incomodado, apenas porque um senhor de idade estava com suspeita de infarto? Somos tão imersos na nossa convicção de que somos bons, quando na verdade não somos, que o médico chegou a dizer que, se ao menos o ancião tivesse sido diagnosticado por um profissional, então ele se sentiria na obrigação de ir atendê-lo. Ele só esqueceu de um detalhe: se o plantonista do hospital que, por sinal era ele, estivesse cumprindo o seu plantão, o senhor de sessenta e quatro anos de idade, casado, pai de seis filhos, aposentado e que trabalhava desde os doze anos de idade e contribuía com a previdência há trinta, talvez tivesse sido atendido por um profissional e não tivesse sofrido um derrame cerebral.

É interessante vermos, também, o caso da universitária, a defensora dos valores morais. E, aqui eu pergunto: quais valores seriam esses? O valor que nós damos ao "faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço?" O valor que depositamos nos nossos desejos pessoais e nas nossas vontades de uma maneira tão absoluta e absurda que, simplesmente, esquecemos que não vivemos sozinhos "nesse mundão de meu Deus?" O valor que damos ao famoso jeitinho brasileiro que, não custa lembrar, só virou instituição nacional porque nós lhe damos vida com as nossas atitudes? Sim, porque se formos honestos e verdadeiros com nós mesmos, somos obrigados a admitir que, no geral, esses são os nossos valores porque é assim que nós somos e é assim que nós fazemos, com raríssimas exceções. Os valores que almejamos como ideais, infelizmente, só existem no mundo das nossas idéias e/ou como metas a serem atingidas pelos outros e não por nós.

No caso do policial, ele me mostrou uma coisa bastante óbvia: que é fácil fazer favores com o esforço que não é nosso para sermos merecedores de créditos que também não nos pertencem, para depois declararmos que o nosso país é o país da impunidade, pois os outros, e não nós, são larápios da coisa pública. Por isso que ele resolveu alguns problemas de um amigo onerando o erário, para ser recompensado depois. Ou seja, roubou o coletivo para ser beneficiado no particular.

A mesma coisa se aplica ao político que, lembrando mais uma vez, é também advogado, defensor da lei e da justiça. Pode? Vergonhosamente, pode sim. E, a prova de que isso é verdade está na própria justiça que fazemos. Uma justiça que liberta uma jovem que confessa o planejamento e o assassinato dos pais baseado em um argumento que ninguém sabe qual é e que, por mais legal que possa ser, é imoral e totalmente fora do bom senso; uma justiça que prende as pessoas que filmaram e denunciaram um esquema de corrupção nos correios enquanto deixa em liberdade o corrupto que foi filmado recebendo propina; uma justiça que manda para as cadeias apenas os pobres e os negros; uma justiça que sempre solta os ricos que são presos (quando são) e que é extremamente distante do povo que a mantém; uma justiça, enfim, injusta e, porque não dizer, muitas vezes criminosa.

Acredito que mais uma vez o Brasil passa por uma oportunidade de ouro para rever-se como país e sair crescido e melhorado de toda essa crise. O grande problema está nas pessoas. Em mim, em você, nos nossos familiares, colegas, amigos e inimigos, parentes e aderentes. Isso, porque, se quisermos realmente uma nação melhor temos que assumir que nós também somos recebedores do mensalão e que, portanto, cada um de nós também é merecedor de sentar nas cadeiras da CPI. Recebemos o mensalão quando sonegamos imposto, quando matamos aula e inventamos uma justificativa para não levarmos falta, quando faltamos ao trabalho e fazemos de conta que não faltamos (como eu fiz) ganhando o que é indevido, quando copiamos ou compramos CD's piratas, quando pagamos propinas ao guarda de trânsito para ele não nos aplicar uma multa que ele deveria aplicar, enfim, todos nós, cada um a seu modo e com o seu preço, também é culpado, pessoalmente, por tudo isso que está acontecendo no nosso país.

Finalizando, é bom não esquecermos que os nossos políticos não vieram de marte; não vieram de uma outra galáxia ou do céu, mas do nosso meio, um meio que é corrompido por nós, pois somos, também, corruptos e corruptores. É bom não esquecermos, de igual modo, que esse é o real motivo para a sociedade (nós) assistir apática a toda essa decadência, pois no fundo, não é apatia, mas cumplicidade. Nenhum de nós toma uma atitude de mudança porque acreditamos (ou temos a certeza) que se um dia estivermos no lugar dos políticos, faremos a mesma coisa que eles fazem, aumentando o nosso mensalão.

Como disse Freud, "seríamos bem melhores se não quiséssemos ser tão bons", e ele estava certo. Bom seria se tivéssemos a honradez de olhar para essa verdade constantemente.

Pedro Paulo Rodrigues Cardoso de Melo, Psicólogo Clínico, Psicopedagogo e Professor Universitário de Psicologia e Sociologia.

Definições


status: é comprar uma coisa que você não quer, com um dinheiro que você não tem, para mostrar pra gente que você não gosta, uma pessoa que você não é.

sexo: é aquilo que quando é bom é ótimo. Mas mesmo quando é ruim ainda é muito bom.

chefe: é aquele que vem cedo quando você vem tarde, e tarde quando você vem cedo.

homem: é aquele que sonha ser tão bonito quanto a mãe acha que ele é; ter tanto dinheiro quanto o filho dele acha que tem; ter tantas mulheres quanto a mulher dele acha que ele tem; e ser tão bom de cama como ele acha que é.

casamento: é uma tragédia em dois atos: civil e religioso.

uísque: é o melhor amigo do homem. É o cachorro engarrafado.

mulheres: são umas chatas, os homens as levam para passear, dançar, ao cinema e mesmo assim, ainda vivem reclamando que eles nunca as levam a esse tal de orgasmo.

distraído: é aquele sujeito que na hora de dormir, beija o relógio, dá corda no gato e enxota a mulher pela janela.

amor: é aquilo que começa com um príncipe beijando um anjo e acaba com um careca olhando para uma gorda.

indigestão: é uma criação de Deus para impor uma certa moralidade ao estômago.

advogado: é o sujeito que salva os vossos bens dos inimigos, e os guarda para si.

beijo: pode ser uma vírgula, um ponto de interrogação, ou um ponto de exclamação.

idoso: é aquele que quando jovem costumava ter quatro membros flexíveis e um duro. Agora tem quatro duros e um flexível.

quinta-feira, junho 21, 2007

Barraquinha de produtos do Renbrant

Devido a minha grave crise financeira, terei que vender alguns produtos que eu importei aqui pelo blog.

Não preciso nem dizer que são produtos de altissíma qualidade e procedencia segura... hehehe








O hindu, o judeu e o argentino

Um acidente de avião, que caiu numa mata, sobreviveram um hindu, um judeu e um argentino. Eles andaram durante o dia todo pelo mato, tentando alcançar cidade mais próxima e, quando já ia anoitecendo, avistaram um casebre.

Toc! Toc! Toc!

- Pois não? - atendeu uma senhora, toda educadinha.
- Estamos à procura de abrigo - explicou o judeu.
- Tudo bem, mas aqui dentro de casa só tem dois lugares. Algum de vocês vai ter de dormir no celeiro.
- Não tem problema - adiantou-se o hindu. - Eu durmo no celeiro.

Nem bem todo mundo tinha se ajeitado quando...
Toc! Toc! Toc! Era o hindu.

- Desculpa, mas lá no celeiro tem uma vaca. Eu não posso dormir ao lado de um animal sagrado.
- Não tem problema - adiantou-se o judeu. - Eu vou dormir no celeiro.

Cinco minutos depois:
Toc! Toc! Toc! Era o judeu.

- Desculpa, mas lá no celeiro tem um porco. Eu não posso dormir ao lado um animal imundo.
- Não tem problema - disse o argentino. - Pode deixar que eu durmo no celeiro.

Cinco minutos depois:
Toc! Toc! Toc!
Eram a vaca e o porco...

quarta-feira, junho 20, 2007

Fotos diversas




Posted by Picasa

Fotos diversas




Posted by Picasa

Fotos Diversas




Posted by Picasa

Novas Harley Davidson Bolivianas

Depois de assumir o controle das refinarias da Petrobrás, Evo Morales fez o mesmo com a fábrica da Harley Davidson da Bolívia.

Demonstrando grande conhecimento na manufatura de motocicletas, foram apresentadas no I Salão das Rodas de Sucre, os primeiros projetos 100% Bolivianos:


24 coisas que você não pode morrer sem saber

01 - O nome completo do Pato Donald é Donald Fauntleroy Duck.

02 - Em 1997, as linhas aéreas americanas economizaram US$40.000
eliminando uma azeitona de cada salada.

03 - Uma girafa pode limpar suas próprias orelhas com a língua.

04 - Milhões de árvores no mundo são plantadas acidentalmente por
esquilos que enterram nozes e não lembram onde eles as esconderam.

05 - Comer uma maçã é mais eficiente que tomar café para se manter
acordado.

06 - As formigas se espreguiçam pela manhã quando acordam.

07 - As escovas de dente azuis são mais usadas que as vermelhas.

08 - O porco é o único animal que se queima com o sol além do homem.

09 - Ninguém consegue lamber o próprio cotovelo, é impossível tocá-lo
com a própria língua.

10 - Só um alimento não se deteriora: o mel.

11 - Os golfinhos dormem com um olho aberto.

12 - Um terço de todo o sorvete vendido no mundo é de baunilha.

13 - As unhas da mão crescem aproximadamente quatro vezes mais rápido
que as unhas do pé.

14 - O olho do avestruz é maior do que seu cérebro.

15 - Os destros vivem, em média, 9 anos mais que os canhotos.

16 - O "quack" de um pato não produz eco, e ninguém sabe por quê.

17 - O músculo mais potente do corpo humano é a língua.

18 - É impossível espirrar com os olhos abertos.

19 - "J" é a única letra que não aparece na tabela periódica.

20 - Uma gota de óleo torna 25 litros de água imprópria para o consumo.

21 - Os chimpanzés e os golfinhos são os únicos animais capazes de se reconhecer na frente de um espelho.

22 - Rir durante o dia faz com que você durma melhor à noite.

23 - 40% dos telespectadores do Jornal Nacional dão boa-noite ao William
Bonner no final.

24 - Aproximadamente 70% das pessoas que lêem este texto, tentam lamber o cotovelo.

Sabedoria popular

- Diga-me com quem andas...que se for de carro, quero carona.

- É chato ser bonito...mas é muito mais chato ser feio.

- Quem sabe, sabe. Quem não sabe vira chefe.

- O importante não é saber, mas ter o telefone de quem sabe.

- Não sou um completo inútil ... ao menos sirvo de mau exemplo.

- Há males que vêm para o bem... mas a maioria vêm para o mal mesmo.

- Depois da tempestade... o trânsito pára!

- Há duas palavras que abrem muitas portas: Puxe e Empurre.

- Quando um não quer... o outro insiste!

- Os últimos serão os primeiros... a tomar bronca pelo atraso.

- Às vezes é melhor ficar quieto e deixar que suspeitem que você é um
imbecil do que abrir a boca e confirmar a suspeita.

- Se um homem bate na mesa e grita, está impondo controle. Se uma mulher faz
o mesmo, está perdendo o controle.

- Eu queria morrer como o meu avô: dormindo tranqüilo, e, não, gritando
desesperadamente, como os 40 passageiros do ônibus que ele dirigia!

- Diga-me com quem andas que eu te direi se vou contigo.

- Que contradição: para desligar o computador clica-se no menu 'iniciar'.

- Canela: dispositivo para encontrar objetos no escuro!

- Eu cavo, tu cavas, ele cava, nós cavamos, vós cavais, eles cavam... Não é
bonito, mas é profundo.

- Errar é humano. Colocar a culpa em alguém, então, nem se fala.

- Deixei a bebida. O ruim é que não lembro onde!?

- A mulher que não tem sorte com os homens não sabe a sorte que tem.

- Trabalhar nunca matou ninguém, mas... por que arriscar?

Manuel no aeroporto

O português estava para pegar um avião para visitar o Brasil quando uma
coisa no aeroporto chamou sua atenção: era um computador com voz que
identificava os passageiros por um novo sistema de reconhecimento de imagem.
Assim que ele passou o computador acusou:
"Manuel, 52 anos, português, casado, passageiro do vôo 455 da Tap."
Impressionado, Manuel foi ao banheiro, raspou o bigode e mudou de camisa.
Ao passar pelo computador, a voz acusou novamente:
"Manuel, 52 anos, português, casado, passageiro do vôo 455 da Tap."
Mas Manuel não se deu por vencido. Voltou para o banheiro, passou
maquiagem, colocou uma peruca ruiva e um vestido.
- Agora eu provo que essa máquina é burra!
E a máquina acusou de novo:
"Manuel, 52 anos, português, casado e que, por causa dessa viadagem,
acaba de perder o vôo 455 da Tap..."

Por Renbrant: a grande piada é um sistema desse em um aeroporto brasileiro, enquanto o Cindacta II está caindo aos pedaços e os controladores de vôo não sabem falar inglês.

terça-feira, junho 19, 2007

Não sei o que é mais ridículo...

...o que esse cara quer fazer ou a roupa dele.

A mão da Familía Addams


Eu pensei que ela não existia...

Dodge Tomahawk - Uma moto com motor V10 do Viper

Essa moto já é antiga. Foi apresentada no Salão de Detroit de 2003 pela Chrysler, mas vale a pena relembrar...

Alías, não sei se pode ser chamada de moto, afinal, ela tem 4 rodas.

Se "isso" é um carro ou uma moto, não vem ao caso. Vamos as especificações:

Motor: V10 de 8,3 litros do Viper
Potência: 532 CV
Torque: 72,6 m.kgf
Distribuição de peso: 49% na frente e 51% atrás.
Transmissão: manual com 2 marchas. (achou pouco?)
Aceleração de 0 a 96km/h: 2,5s
Velocidade máxima: 710km/h (e você queria mais que duas marchas, né?)

Segundo a Chrysler, esse "torpedo" foi feito apenas para demosntrar do que os projetistas são capazes de fazer.

Só tenho duas perguntas:

- Ela faz curva?
- Algum teve coragem de acelerar tudo?


Related Posts with Thumbnails